terça-feira, 5 de dezembro de 2006

Grades

[Igreja N. Sª das Neves, Serra de Montejunto, 2006, FF]
"Entre muitas outras coisas,
tu eras para mim uma janela através da qual podia ver as ruas.
Sozinho não o podia fazer."
Franz Kafka

6 comentários:

juka disse...

Sozinhos não podemos "ver" montes de coisas.

Precisamos, sim, do outro que nos complementa...

Precisamos de quem nos "sirva" de janela... de porta... de copo... de prato... enfim... De quem nos ajude a disfrutar o que a vida tem de melhor.

pensamentos_vagabundos disse...

quando era pequeno adorava passear por entre lugares como esse da foto para imaginar os sentimentos e as vidas que ali passaram e passam...
beijo vagabundo

(L)oca disse...

mas uma janela com grades? é dualista...apressiona o corpo mas solta a vista...
faz-me lembrar relações...algumas...

rui disse...

Olá Estranha Pessoa

Linda imagem!
É visível a idade e o desgaste de uma construção que ainda mostra solidez.
Gosto de janelas que comunicam ou que deixam ver mais além.

Um abraço
o senhor do mar

arritmico-mano disse...

e a janela ao fundo, e a canção de baixo...

Teresa Durães disse...

já me aconteceu. uma vez. é impressionante quando existem dois olhos que deslizam os nossos para as existências que não tínhamos absorvido.