terça-feira, 3 de julho de 2007

Asas.. do Destino!

[Porto, Junho de 2007, FF]
Amo as pedras, os astros e o luar
Que beija as ervas do atalho escuro,
Amo as águas de anil e o doce olhar
Dos animais, divinamente puro.
Amo a hera que entende a voz do muro
E dos sapos, o brando tilintar
De cristais que se afagam devagar,
E da minha charneca o rosto duro.
Amo todos os sonhos que se calam
De corações que sentem e não falam,
Tudo o que é Infinito e pequenino!
Asa que nos protege a todos nós!
Soluço imenso, eterno, que é a voz
Do nosso grande e mísero Destino!...
Florbela Espanca

5 comentários:

Brain disse...

"Amo todos os sonhos que se calam
De corações que sentem e não falam,
Tudo o que é Infinito e pequenino!"


Quanta imensidão nestas 3 frases!

E esta foto,
Mais uma,
Do meu maravilhoso Porto!
(E com que sensibilidade ela foi tirada...)

Hoje,
Fiquei sem palavras.

Beijo para ti,
Estranha familiar.

rui disse...

Olá Estranha Pessoa

Asas do acaso.

A base de sustentação do teu corpo não estava correcta no momento do disparo.

Abraço

Putty Cat disse...

Allez Portoooooooooooooooo!!!!

Fantástica foto, pintada com fantástico poema!

Loved it!

Kiss kiss

as velas ardem ate ao fim disse...

E é amar assim...


bfs

POETA VAGABUNDO disse...

:)beijo minha estranha vagabunda:)